Declaração de Fé

1. Trindade

A unidade do Pai, do Filho e do Espírito Santo(1) é manifestada de modo que revela o caráter soberano e eficaz de cada pessoa. O Pai adota aqueles que Ele elegeu de modo soberano e eficaz(2). O Espírito convence e aplica a iluminação para o arrependimento dos pecados de modo soberano e eficaz(3). O Filho expia de modo soberano e eficaz e recebe todos quantos creem(4).

(1)Mt 28.19; 1Jo 5.7; (2)Rm 8.15, 29; Ef 1.5; (3)Jo 16.8; Sl 34.5; Ef 1.18; Hb 10.32; (4)Jo 6.37

2. Decretos de Deus

Os decretos de Deus são eles imutáveis(1), e são desde e a eternidade(2). Isto significa que jamais alguém ou um evento o sugeriu decretar algo(3), mas que ele tudo fez por um firme propósito, baseado na sua vontade(4). Então, ele pelo decreto da eleição, predestinou, chamou, justificou e glorificou(5). A Bíblia diz que a estes, Deus conheceu antecipadamente, mas a evidência que temos é de que Deus não elegeu porque viu a fé, mas que alguns homens chegaram a ter fé porque foram predestinados a isto(6).

(1)Hb 6.17; (2)Sl 139.16; (3)Rm 11.33; (4)Ef 5.17; (5)Rm 5.29, 30; (6)At 13.48

3. A Maldição do Pecado

O pecado é a transgressão da lei de Deus(1), é a quebra da lei ou descumprimento dela, é o afastamento moral do indivíduo em relação ao Deus moralmente perfeito. Ele faz separação entre nós e Deus(2), este afastamento não pode ser encarado como um distanciamento interpessoal somente, mas é juízo de Deus, pois o pecado não só o entristece, mas nos ameaça e condena e todos os homens sem Cristo estão nesta condição(3). Com efeito a espiritualidade, o pecado é o veneno que matou o homem(4).

(1)1Jo 3.4; (2)Is 59.2; (3)Ef 2.1-3; Rm 1.18; 3.23; (4)Gn 2.17

4. Suficiência de Cristo Para a Salvação

Em Jesus Cristo, aqueles que foram chamados segundo Deus, são justificados(1). Esta justificação é o que podemos chamamos de “justos somente por causa de Cristo”. Isto quer dizer que não há justiça em nós mesmo, mas no sangue dEle(2), e este é o único meio de sermos aceitos diante de Deus. Por Jesus Cristo também temos acesso ao Pai, é o que conhecemos por mediação(3). É este o meio de nos achegarmos ao Pai. Estamos unidos na forma de governo, sobre isto as Escrituras afirmam que Cristo é a cabeça(4) da igreja, chamada de corpo(5). Assim como é conhecida a unidade do corpo humano, Cristo a cabeça da do corpo que é a igreja, está unido, instruindo, dirigindo e governando de forma soberano.

(1)Rm 3.24; (2)Rm  5.9; (3)1Tm 2.5; (4)Ef 1.22; 4.15; (5)Ef 5.23

5. Suficiência das Escrituras Para a Conduta do Crente

Desde a época mais tenra da vida as Escrituras serve de auxílio na condução a sabedoria assim como para a correção e instrução(1). São as Escrituras que nos levam a compreensão de quem é o Cristo, nosso Senhor e Salvador(2) e tudo o que nos importa saber(3). As Escrituras aceitas como fonte de verdade pelos Pais da igreja, ratificada no Credo de Atanásio e acolhidas na Reforma Protestante são os 39 livros do Antigo Testamento(4) e os 27 livros do Novo Testamento(5).

(1)2Tm 3.15,16; (2)Jo 5.39; (3)Jo 20.30,31; (4)Gênesis; Êxodo. Levítico; Números; Deuteronômio; Josué; Juízes; Rute; 1e2 Samuel; 1e2 Reis; 1e2 Crônicas; Esdras; Neemias; Ester; Jó; Salmos; Provérbios; Eclesiastes; Cântico dos Cânticos; Isaias; Jeremias; Lamentações de Jeremias; Ezequiel; Daniel; Oséias; Joel; Amós; Obadias;; Jonas. Miquéias; Naum; Habacuque; Sofonias; Ageu; Zacarias; Malaquias; (5)Mateus; Marcos; Lucas; João; Atos dos Apóstolos; Romanos; 1e2 Coríntios; Gálatas; Efésios; Filipenses; Colossenses; 1e2 Tessalonicenses; 1e2 Timóteo; Tito; Filemom; Hebreus; Tiago; 1e2 Pedro; 1,2 e3 João; Judas; Apocalipse

6. O Chamado do Evangelho

Nenhum homem, rico ou pobre, seja de que nação for, quer autoridades ou pessoas simples, poderá chegar a conhecer a Cristo ou lhe ser dada a fé sem ouvir o evangelho(1). Por isto, como tradição apostólica e ordenação Bíblica, pregamos a palavra para salvação dos que se perdem, sem distinção de pessoas.(2)

(1)Rm 10.17; (2)Mc 16.15

7. Auxilio do Espírito Santo

O Espírito Santo é o que nos consola(1), e regenera o crente(2). Todo crente recebe o Espírito Santo na sua conversão(3), Ele é quem desde nosso novo nascimento tem ajudado os crentes nas suas fraquezas(4), manifestando paz(5), bem como alegria(6).

(1) Jo 16.7, 8; (2) Tt 3.5; (3) Jo 3.5; Ef 1.13; 1Co 12.13; (4) Rm 8.26; (5) Rm 8.6; (6) Rm 14.17

8. Pacto de Deus Com Seu Povo

Seu povo é iniciado descritivamente no Antigo Testamento e continuado no Novo Testamento onde Cristo faz consumação de todas as coisas, tronando este povo uma Igreja Una(1), Santa(2), Católica/em todas a nações(3) e Apostólica(4) que é um só povo, um só Israel. Que administra a Palavra, bem como os Sacramentos do Batismo e a Ceia como anunciação e meios de graça.

(1) Ef 2.14; (2) 1Pe 2.9; (3) At 1.8; Mc 16.15; (4) At 2.42

9. O Dever do Cristão Quanto as Autoridades

O cristão conforme o mandado Bíblico sobre suas autoridades deve orar(1), e estar sujeito a elas. Pois elas são ministros de Deus para dois fins claros: louvar os que fazem o bem e punir os que fazem o mal(3). O cristão deve estar ciente de que sua prestação de contas a estas autoridades é um dever cívico(4), pois isto honra a Deus que os fez autoridade.

(1)1Tm 2.1,2; (2)Rm 13.1; (3)1Pe 2.14; (4)Mt 22.17-21; (5)1Pe 2.13

10. O retorno de Cristo

Seu retorno será visível(1) e iminente(2). Os mortos serão ressuscitados(3) no mesmo instante os vivos serão arrebatados(4), havendo uma só ressurreição(5), não crendo assim arrebatamento pré-tribulacional.

(1) Lc 21.27, 28; Ap 1.7; (2) Mt 24.27; (3) 1Ts 4.15; (4) 1Ts 4.17; (5) Dn 12.2; Jo 5.28, 29; At 24.15

11. O Milênio

Seu governo espiritual já está estabelecido na sua primeira manifestação(1), na operação do poder de Cristo sobre os que estavam em prisão espiritual(2) e que é conhecida como a primeira ressurreição, que é uma figura de linguagem para o novo nascimento que vence a segunda morte(3). este milênio não literal está entre nós, com aplicações e implicações individuais e no organismo da igreja(4)

(3)Mc 1.15; (2)Lc 11.20; (3)Ap 20.4-6; (4)Lc 17.21